Saúde do homem e da mulher: quando procurar um urologista?

Talvez o título desta reportagem tenha ganhado sua atenção por incluir as mulheres no tema “urologia”. Pois bem… embora os urologistas sejam muito consultados para tratar problemas relacionados à saúde do homem, esses profissionais também atendem pacientes mulheres, pois urologia é a especialidade médica que trata das doenças ligadas ao trato urinário, a exemplo de disfunções em órgãos como rins, bexiga, próstata, ureteres, testículos, pênis, uretra, entre outros.

Na reportagem desta semana, veja em quais situações você deve procurar esse especialista. Boa leitura!

ISTs

Para pacientes do sexo masculino, o urologista é o profissional responsável por diagnosticar e tratar infecções sexualmente transmissíveis. Em caso de sintomas como vermelhidão, coceira, feridas e dores na região genital, é preciso procurar ajuda para iniciar o tratamento de eventuais doenças. Além disso, o público masculino pode consultar um urologista em casos de impotência sexual, ejaculação precoce, diminuição da libido, desconforto durante a relação sexual, entre outros.

Problemas urinários

Incontinência urinária, gotejamento, sangue na urina, desconforto ao urinar e diminuição ou aumento do fluxo urinário estão entre os sintomas que podem indicar inflamações, infecções, lesões nos rins ou até mesmo câncer em determinada região do sistema urinário de homens e mulheres. Caso você identifique uma ou mais dessas situações, consulte um urologista. As formas de tratamento depender de cada caso, bem como do tipo e do grau da doença estabelecida.

Dores

É de extrema importância que o paciente consulte um profissional da urologia caso apresente dores em determinadas regiões do corpo. A dor é um mecanismo de defesa do organismo e tem como objetivo avisar que algo está errado. A investigação, portanto, é fundamental para o diagnóstico e o tratamento de eventuais doenças.

O urologista deve ser consultado tanto por homens quanto por mulheres quando houver ocorrência de dores abdominais e na região da lombar. Além disso, pacientes do sexo masculino também podem procurar urologistas quando apresentarem dores na região do pênis e dos testículos.

De acordo com o Dr. João Pedro Telles, sempre que o paciente sentir dor, relacionado ao trato urinário e/ou genital,  ele deve procurar um urologista. Além disso, quando ocorrem sangramentos, secreção genitais, ardência, desconforto e dificuldade ao urinar, também é indicada uma consulta com um profissional da urologia.

Idade

Homens acima dos 40 anos devem procurar acompanhamento urológico para ter um atendimento customizado, que inclui dosagem do PSA e, em casos selecionados, do toque retal. Os dois procedimentos ajudam no diagnóstico de câncer de próstata e podem salvar vidas. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de próstata é um dos mais frequentes (e letais) entre a população masculina. O diagnóstico precoce é indispensável. Por isso é importante manter o acompanhamento médico com um urologista a partir da fase jovem da vida do homem. Assim como as mulheres devem ir regularmente ao ginecologista, om público masculino também deve realizar consultas preventivas e regulares com o urologista, o que também ajuda a promover a informação desse público e tratar eventuais doenças sem sintomas aparentes.

Compartilhe este conteúdo!

Aqui tem gente. Aqui tem vida. Aqui tem Unimed.

Read More

Saúde da mulher: como se preparar para engravidar com saúde?

Planejamento é saudável em todos os aspectos da vida. Assim também é na gestação para trazer um novo ser ao mundo. Além dos cuidados durante a gravidez, especialistas ressaltam a importância da mulher se preparar antes mesmo de dar início a essa fase tão especial. 

Neste artigo, a Unimed Cascavel fala da saúde da mulher e de quais cuidados são necessários para se preparar para engravidar com saúde, o que fará bem tanto à mamãe quanto ao bebê. Boa leitura!

Ciclo menstrual

Antes de engravidar, é importante fazer um registro com as características dos seus ciclos menstruais, a exemplo da frequência e da duração, o que ajuda a identificar o seu período fértil. Já durante a gestação, esse registro ajuda o obstetra a saber com mais precisão a data do seu último período e, consequentemente, o tempo de gravidez.

Ginecologista e obstetra

Esses especialistas médicos poderão solicitar estudos laboratoriais para avaliar seu estado de saúde e, a partir disso, identificar possíveis riscos e trata-los de forma adequada para dar mais segurança à sua gestação.

Doenças crônicas

Caso você tenha alguma condição crônica de saúde, a exemplo de hipertensão, diabetes, distúrbios de tireoide, etc., planejar a gravidez é ainda mais fundamental para evitar possíveis riscos. A gestão tende a potencializar tais condições. Por isso, é recomendável iniciar a gravidez com seis meses de doença sob controle. 

 ISTs

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) aumentam o risco de parto prematuro, ruptura prematura de membranas e de abortos. As ISTs podem ser assintomáticas e permanecer ocultas por anos. Testes diagnósticos são sempre indicados, até porque existe a chance dessas infecções passarem para o feto e causarem malformações. 

TORCH

O perfil TORCH é um estudo feito a partir de exame de sangue para detectar infecções (muitas delas tratáveis) por microorganismos que podem representar riscos significativos para o bebê, causando malformações, alterações neurológicas, retardo mental e até a morte. Mesmo em caso de infecções sem tratamento específico é útil a detecção antes da gravidez para identificar o período de risco.

Tireóide

A glândula tireóide produz hormônios que regulam várias funções do metabolismo. Alterações podem tornar mais difícil para a mulher engravidar. O risco de aborto espontâneo também pode ser aumentado, além de outras consequências.

Boa alimentação 

Uma dieta inadequada aumenta os riscos de problemas digestivos, hipertensão, diabetes e parto prematuro, além de poder restringir o desenvolvimento do bebê. Isso vale para a subnutrição e também para sobrepeso/obesidade. Portanto, mantenha-se com dieta e peso adequados. Se precisar, conte com um nutricionista.

Atividade física

Seja antes, durante ou depois da gravidez, os exercícios físicos têm benefícios como o controle do peso e a estabilidade do humor. Eles também ajudam a eliminar o excesso de peso após o nascimento do bebê e estão relacionados a menos dores, mais energia e melhor tônus muscular. Meia hora por dia de passeio, natação, bicicleta, ioga ou pilates é uma boa dica. Mas, atenção: para uma pessoa que acabou de iniciar a gravidez e que estava acostumada a praticar atividades físicas muito intensas, é aconselhável conversar com o obstetra para revisar os tipos de exercício.

Ferro e ácido fólico

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a deficiência de ferro, ácido fólico e vitamina A é a principal causa de anemia, que, durante a gravidez, tem sido associada a um risco aumentado de aborto, infecções, parto prematuro, sangramentos e baixo peso do bebê. Para evitar essa condição, a recomendação é um reforço adequado desses nutrientes (já antes da gravidez). 

Substâncias tóxicas

O cigarro e o álcool têm sido associados à diminuição da fertilidade de mulheres e homens. Já durante a gravidez, o tabagismo está relacionado à perda do bebê, parto prematuro e morte neonatal (quando o bebê morre logo após o nascimento). Além disso, drogas e outras substâncias tóxicas (produtos químicos, pesticidas, chumbo, mercúrio, solventes orgânicos, etc.) são muito prejudiciais ao embrião em formação e aumentam o risco de malformações. Além disso, aconselha-se evitar medicamentos ou produtos à base de plantas sem orientação médica.

Saúde Mental

Se você estiver sob muito estresse ou com problemas psicológicos ou psiquiátricos, é importante procurar atendimento médico e psicológico antes de iniciar a gravidez, pois eles tendem a se intensificar nesse período.

Vacinas

Se uma gravidez está sendo planejada, é uma prioridade estar em dia com o calendário de vacinação, especialmente para condições que possam colocar uma gravidez em risco, como rubéola e catapora. Se você nunca teve essas doenças, a vacinação antes de iniciar a gravidez é uma boa opção.

Gostou? Compartilhe! 

Cuidar de você. Esse é o plano.

Read More